dezembro 21st, 2017 at 0:56 by admin

“Nesse momento chegou alguém e disse: ‘Os homens que os senhores puseram na prisão estão no pátio do templo, ensinando o povo’. Então, indo para lá com os guardas, o capitão trouxe os apóstolos, mas sem o uso de força, pois temiam que o povo os apedrejasse.
Tendo levado os apóstolos, apresentaram-nos ao Sinédrio para serem interrogados pelo sumo sacerdote, que lhes disse: ’Demos ordens expressas a vocês para que não ensinassem neste nome. Todavia, vocês encheram Jerusalém com sua doutrina e nos querem tornar culpados do sangue desse homem‘.
Pedro e os outros apóstolos responderam: ’É preciso obedecer antes a Deus do que aos homens! O Deus dos nossos antepassados ressuscitou Jesus, a quem os senhores mataram, suspendendo-o num madeiro. Deus o exaltou, colocando-o à sua direita como Príncipe e Salvador, para dar a Israel arrependimento e perdão de pecados. Nós somos testemunhas destas coisas, bem como o Espírito Santo, que Deus concedeu aos que lhe obedecem’.
Ouvindo isso, eles ficaram furiosos e queriam matá-los”
Atos 5:25-33.

Como resolver o conflito entre obedecer as autoridades e obedecer a Deus, quando suas ordens são divergentes? Os crentes devem estar livres da desobediência, porque esse é o pecado original (Rm 5:19). Mas o que devem fazer quando são proibidos de proclamar o Evangelho em todo lugar, até mesmo no pátio do templo de outra religião? Esse texto nos ensina sobre isso.

[V] Veja o que o texto ensina
Os enviados de Jesus estavam ensinando o Evangelho em Jerusalém, muitos milagres aconteciam e já haviam reuniões regulares. Isso ensejou inveja nos líderes religiosos do judaísmo, e eles mandaram prender os apóstolos. Deus, no entanto, queria que eles continuassem ensinando. Por isso, um anjo os tirou milagrosamente da cadeia e os instruiu a continuar. Quando os líderes religiosos mandaram buscá-los para uma audiência, souberam que eles haviam desaparecido misteriosamente.

Logo alguém informou que os apóstolos continuavam ensinando no mesmo lugar em que estavam antes. Trazidos à audiência, em meio à oposição, ouvimos um inesperado testemunho do sucesso de seu ministério pelo sumo-sacerdote: “… vocês encheram Jerusalém com sua doutrina…”. Também foram intimados por não obedecerem a ordem anterior para não pregar, ao que responderam que era necessário obedecer a Deus antes (primeiro, mais, melhor) do que aos homens, para em seguida cumprir mais uma vez a instrução de Deus, pregando ousadamente o Evangelho aos próprios líderes religiosos. Nisso destaca-se Pedro, que poucos dias antes, enquanto Jesus era agredido na casa do sumo-sacerdote, negara conhecê-lo (Mt 26:58-75).

Há também a preciosa descrição de Jesus, Príncipe e Salvador, como quem dá o arrependimento e o perdão de pecados a Israel. Príncipe, nesse caso é o Gr. archégos, o primeiro na liderança, como também o originador, fundador ou autor. Salvador, é o Gr. sótér, que pode ser melhor traduzido por ‘libertador’, uma vez que o conceito de salvação é o de libertar de uma situação destrutiva. Igualmente admiráveis são os conceitos traduzidos como arrependimento, literalmente a mudança de mente, e perdão, que significa ‘mandar embora’, portanto, afastar o pecado e suas consequências. Finalmente, há a consciência de serem testemunhas e de saberem que maravilhosamente o Espírito Santo também era testemunha com eles, exatamente como Jesus havia dito (Jo 15:26,27).

  • O que os apóstolos estavam fazendo, conforme o informante dos líderes religiosos? “Nesse momento chegou alguém e disse: ‘Os homens que os senhores puseram na prisão estão no pátio do templo, ensinando o povo’”.
  • Qual o sumo sacerdote disse ter sido a ordem dada aos apóstolos, e o que eles fizeram sobre isso? “Então, indo para lá com os guardas, o capitão trouxe os apóstolos, mas sem o uso de força, pois temiam que o povo os apedrejasse. Tendo levado os apóstolos, apresentaram-nos ao Sinédrio para serem interrogados pelo sumo sacerdote, que lhes disse: ’Demos ordens expressas a vocês para que não ensinassem neste nome. Todavia, vocês encheram Jerusalém com sua doutrina e nos querem tornar culpados do sangue desse homem‘“.
  • Como Pedro e outros apóstolos relacionaram as ordens recebidas de Deus e aquelas recebidas de autoridades humanas, e que autoridade e poder eles reconheciam em Jesus? ”Pedro e os outros apóstolos responderam: ’É preciso obedecer antes a Deus do que aos homens! O Deus dos nossos antepassados ressuscitou Jesus, a quem os senhores mataram, suspendendo-o num madeiro. Deus o exaltou, colocando-o à sua direita como Príncipe e Salvador, para dar a Israel arrependimento e perdão de pecados’”.
  • Como os apóstolos disseram se sentir acerca das coisas sobre as quais testemunharam e como percebiam o Espírito Santo em relação a si mesmos? “’Nós somos testemunhas destas coisas, bem como o Espírito Santo, que Deus concedeu aos que lhe obedecem’. Ouvindo isso, eles ficaram furiosos e queriam matá-los”.

[O] Ouça o que o texto promete
É interessante como Pedro, porta voz dos apóstolos, apresentou Jesus a partir da visão carnal do sumo-sacerdote. ‘Esse homem’, segundo o religioso, conforme os apóstolos é, implicitamente, Deus que deve ser obedecido, pois deu os mandamentos da Grande Comissão (At 1:2). É também o originador e o realizador da mudança de mente e do afastamento do pecado e de suas consequências. Nós somos testemunhas dessas coisas e o Espírito Santo é testemunha também. Esse Espírito Santo que Deus somente deu àqueles que o obedeceram, isto é, que colocaram a fé em primeiro lugar, Gr. peitharcheó. Lembrando que o Espírito Santo foi soprado por Jesus sobre os discípulos (Jo 20:22) e a ordem que deviam obedecer veio dele mesmo. Ser testemunha, então, deixa de ser uma obrigação, um encargo, e se torna absolutamente natural, uma consequência da experiência pessoal com Jesus. Ser testemunha é inevitável.

[S] Sinta o que o texto ordena
Ser testemunha é uma consequência natural de estar com Jesus. Ore para que testemunhar de Jesus não seja um encargo para você e sua igreja, mas a reação natural de sua experiência com ele.

O texto estabelece que obedecer a Deus é prioritário. Ore para que você e sua igreja coloquem a obediência à ordem de, indo por todo o mundo, pregar todo o Evangelho a toda criatura.

Os discípulos colocaram em risco a própria vida diante da fúria dos opositores. Ore para que tanto você como os irmãos em sua igreja não temam arriscar tudo pela evangelização.

O Evangelho se expandiu através do ensino. O termo ensinar é usado várias vezes para descrever o trabalho da evangelização, por isso nunca diferenciamos evangelização e discipulado. Ore para que você e sua igreja sejam hábeis no ensino da Palavra de Deus em todo o lugar.

…………
Este estudo bíblico é parte integrante da série de trinta devocionais preparados para a Escola de Liderança da AMME para Adolescentes e Jovens – Pacificadores, na edição #PACI18, de 7 a 21 de janeiro de 2018 em Ibiúna – SP. Veja a lista de textos em

Leave a Reply