dezembro 29th, 2017 at 12:21 by admin

“No dia seguinte, quando estavam saindo de Betânia, Jesus teve fome. Vendo à distância uma figueira com folhas, foi ver se encontraria nela algum fruto. Aproximando-se dela, nada encontrou, a não ser folhas, porque não era tempo de figos. Então lhe disse: ‘Ninguém mais coma de seu fruto’. E os seus discípulos ouviram-no dizer isso.
Chegando a Jerusalém, Jesus entrou no templo e ali começou a expulsar os que estavam comprando e vendendo. Derrubou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos que vendiam pombas e não permitia que ninguém carregasse mercadorias pelo templo. E os ensinava, dizendo: ‘Não está escrito: ‘A minha casa será chamada casa de oração para todos os povos’? Mas vocês fizeram dela um covil de ladrões’.
Os chefes dos sacerdotes e os mestres da lei ouviram essas palavras e começaram a procurar uma forma de matá-lo, pois o temiam, visto que toda a multidão estava maravilhada com o seu ensino.
Ao cair da tarde, eles saíram da cidade.
De manhã, ao passarem, viram a figueira seca desde as raízes”
Marcos 11:12-20.

Vivemos dias em que um pegajoso antropocentrismo invadiu a Igreja. Contaminados com o pensamento mundano, os crentes pensam que a fé cristã gira em torno de seu bem-estar. O texto que estamos estudando mostra quão grave é essa postura egocêntrica, e como Jesus quer corrigir isso.

[V] Veja o que o texto ensina
Em seu relato, Marcos, sempre objetivo e dinâmico em sua redação, conecta duas lições dramatizadas de Jesus. Do modo como escreveu, a lição da figueira que secou, envolve e explica a lição da purificação do pátio dos gentios no Templo.

Para entender o que Jesus fez à figueira é importante entender que: a) ‘não era tempo de figos’, significa que não era tempo da colheita; b) os brotos dos figos nascem antes das folhas, portanto deveriam haver pelo menos figos verdes; c) tendo folhas desenvolvidas, deveria haver alguns figos adiantados; d) em uma região árida, não se toleram árvores improdutivas, que consomem o solo sem resultado. Um dos recursos de ensino de Jesus era dramatizar suas lições e ele usou aquela figueira para isso. Jesus não ordenou que a figueira se secasse por não haverem frutos maduros, mas porque, apesar de haverem folhas, apesar da aparência, não havia sinal de que que daria fruto ainda.

No pátio destinado aos gentios, uma área externa do santuário, havia uma grande movimentação para trocar dinheiro estrangeiro pela moeda sem imagens aceita no templo, bem como para a compra de animais e outros itens necessários às ofertas e aos sacrifícios. Com isso, havia muita ganância e exploração das pessoas e os líderes religiosos estavam envolvidos. O templo era exuberante, mas a adoração ali era inaceitável. Ao expulsar cambistas e mercadores, Jesus ‘secou’ aquele sistema de adoração. Não haveria mais sustento para os sacerdotes, nem culto para eles celebrarem e nem meio de purificação dos pecados para os fiéis.

Essas duas lições dramatizadas de Jesus têm ampla base bíblica que mostra Israel como figueira seca por causa de uma religiosidade sem fruto ou resultado: Is 34:4; Jr 5:17; 8:13; Os 2:12; Jl 1:2-12; Mq 7:1-6. O ensino de Jesus no Pátio dos Gentios, por sua vez, estava apoiado em duas referências bíblicas: Is 56:6,7, onde os estrangeiros são ditos bem-vindos pois o Templo estava destinado a ser ‘casa de oração para todos os povos’; Jr 7:9-11, onde Deus exorta Israel por causa da falsa segurança religiosa que sentiam em se apresentarem indignamente no templo e pronuncia um julgamento contra tal religiosidade. Marcos, que conectou o início das duas lições, fez o mesmo com a conclusão, mostrando que a reação dos líderes religiosos ao ensino de Jesus era similar à uma figueira seca.

  • Quais as razões de Jesus ordenar que a figueira secasse em sua lição dramatizada? “No dia seguinte, quando estavam saindo de Betânia, Jesus teve fome. Vendo à distância uma figueira com folhas, foi ver se encontraria nela algum fruto. Aproximando-se dela, nada encontrou, a não ser folhas, porque não era tempo de figos. Então lhe disse: ‘Ninguém mais coma de seu fruto’. E os seus discípulos ouviram-no dizer isso”.
  • Qual a relação entre Jesus ordenar que a figueira secasse e suas ações no Templo? “Chegando a Jerusalém, Jesus entrou no templo e ali começou a expulsar os que estavam comprando e vendendo. Derrubou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos que vendiam pombas e não permitia que ninguém carregasse mercadorias pelo templo”.
  • Que textos bíblicos Jesus usou em sua lição dramatizada sobre o Templo? “E os ensinava, dizendo: ‘Não está escrito: ‘A minha casa será chamada casa de oração para todos os povos’? Mas vocês fizeram dela um covil de ladrões’”.
  • Qual foi a reação dos líderes religiosos ao ensino de Jesus sobre o templo e como eles se assemelham à figueira seca? “Os chefes dos sacerdotes e os mestres da lei ouviram essas palavras e começaram a procurar uma forma de matá-lo, pois o temiam, visto que toda a multidão estava maravilhada com o seu ensino. Ao cair da tarde, eles saíram da cidade. De manhã, ao passarem, viram a figueira seca desde as raízes”.

[O] Ouça o que o texto promete
Conforme Lucas (Lc 13:6-9), Jesus contou uma parábola que representa essa mesma lição dramatizada da figueira que secou. Se vivemos com abundância de água, não entendemos isso, mas, onde o sólido é árido, onde há pouca chuva, o agricultor não cultiva plantas ornamentais, nem pode admitir uma árvore sem frutos em sua plantação. Jesus também não admite uma religiosidade sem os resultados que agradam a Deus: os frutos da santificação pela vivência da Palavra e os frutos da evangelização pela pregação da Palavra.

A esperança que esse texto traz é que, ao secar um sistema incapaz de adoração, Jesus abre espaço para uma nova figueira, uma nova videira, uma árvore verdadeira em seus frutos, que não minta na santidade do caráter ou na missão da pregação.

[S] Sinta o que o texto ordena
Esse texto nos exorta a nos preocuparmos menos com as folhas, menos com a suntuosidade do Templo. Ore para que a nossa fé não se limite às aparências e ao culto externo.

Verdadeiros adoradores produzem os frutos que Deus quer, os frutos da santificação e os frutos da missão. Ore para que você e sua igreja glorifiquem ao Pai com muito fruto.

Casa de oração para todos os povos! Os judeus queriam se ver livre dos gentios em sua fé exclusivista, mas Jesus queria trazê-los e congrega-los. Ore para que você e sua igreja estejam prontos a compartilhar sua fé e seu culto, sem exclusivismo.

Uma adoração verdadeira a Deus, livre da ganância pelas coisas mundanas, é assim que o Reino de Deus se estabelece e alcança as nações. Ore para que você e seus irmãos em Cristo sejam verdadeiros adoradores, em espírito e em verdade.

…………
Este estudo bíblico é parte integrante da série de trinta devocionais preparados para a Escola de Liderança da AMME para Adolescentes e Jovens – Pacificadores, na edição #PACI18, de 7 a 21 de janeiro de 2018 em Ibiúna – SP. Veja a lista de textos em

Leave a Reply